terça-feira, 23 de maio de 2017

Um ao outro – vivendo em comunidade – Estimular um ao outro

“Politicamente correto” tem dominado a nossa sociedade nos últimos anos. Agora, precisamos ter muito cuidado, não só com o que fazemos, mas principalmente com o que dizemos. Mesmo em pequenos grupos, como família e igreja. A questão é até onde devo ir para desafiar ou incentivar meu irmão e minha irmã para fazer o bem e amar as pessoas? Em outras palavras, a se comportarem como verdadeiros cristãos.
Igreja deve ser um lugar onde possamos ficar confortáveis a desafiar e ser desafiado por nossos irmãos e irmãs. O autor da carta aos Hebreus escreveu isto: e consideremo-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras, Hebreus 10:24.” Isto é o que o comentário do Expositor da Bíblia tem a dizer sobre a palavra “estimular”: “Estimular” traduz o vívido substantivo paroxysmos, usado na discordância “afiada” que separou Barnabé e Paulo em Atos 15:39; aqui tem uma conotação mais positiva, mas certamente mostra que o autor esperava que o “incentivo” seria estimulante e até confrontador ao invés de meramente reconfortante.”
Como você pode ver “estimular” é um estimulo forte. Quando foi a última vez que um irmão ou uma irmã veio para você e o desafiou a fazer o bem ou a ser mais amorosa/amoroso? As pessoas não fazem isso mais. Eles estão com medo que eles vão ofender os outros, que a pessoas saiam da igreja, ou que irão se machucar, etc. Como igreja temos a responsabilidade de fazer as coisas de forma diferente e também a viver um tipo diferente de vida. Quando não estamos fazendo isso é a responsabilidade de alguém da igreja vir até nós e nos estimular a comportarmos como um cristão.
Este tipo de estímulo não deve ser vil, mas deve ter a sua origem no próprio Deus. Isto é o que Paulo escreveu aos romanos: Ora, o Deus de constância e de consolação vos dê o mesmo sentimento uns para com os outros, segundo Cristo Jesus. Romanos 15:5” Paulo está dizendo que esse estimulo deve vir de Deus. É um presente do Senhor. Nós não produzimos este estimulo. Quando usamos este incentivo as pessoas vão sentir, não a nossa força, mas o poder de Deus.
Nosso objetivo deve ser motivar nossos irmãos e irmãs para fazerem o bem, para amar e para vir à igreja. Eles precisam entender que não só Deus esperava isso deles, mas também a Igreja e o mundo. Essas ações fazem parte do nosso testemunho cristão. Eles são os meios para mostrar às pessoas onde está o nosso compromisso. Se alguém professa a fé cristã e não está disposto a fazer o bem, amar e ir à igreja dele ou dela, alguém deve confrontá-los e estimula-los naquela direção.
No próximo versículo o autor da carta aos Hebreus explica e expande o contexto e as razões para estimularmos uns aos outros: não abandonando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia. Hebreus 10:25.” O primeiro deles é que as pessoas tinham o hábito de não frequentar a igreja em uma maneira regular. A maioria deles tinha medo de perseguição. Mas o escritor acrescenta uma razão muito importante para nós fazermos isso, “o dia se aproxima”. A principal razão é que nosso tempo é curto. Não sabemos quanto tempo ainda temos e por causa disso nós devemos ser corajosos e em amor estimular um ao outro.
Tenha uma semana abençoada,

Pastor Lucas

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Um ao outro – viver em comunidade – confessar seus pecados uns aos outros

Matthew Henry escreveu: “a religião cristã é a religião dos pecadores, daqueles que pecaram e daqueles em quem o pecado em alguma medida ainda habita. A vida cristã é uma vida de contínuo arrependimento, humilhação e mortificação para o pecado, e de contínua fé, gratidão e amor para com o Redentor e a alegre e esperançosa expectativa do dia da gloriosa redenção, na qual o crente será totalmente e finalmente absolvido e o pecado abolido para sempre.” Em outras palavras: somos pecadores e teremos de lidar com o pecado pelo o resto de nossas vidas até o dia glorioso quando nosso Senhor nos chamará à sua casa eterna.
O conhecimento disto vai nos fazer compreender a importância do nosso relacionamento com Deus e com nossos irmãos e irmãs. Somos quebrados, e no decorrer de nossas vidas nós vamos dizer e fazer coisas que não deveríamos. Nós ofenderemos, não só Deus, que é Puro e Santo, mas nós também ofenderemos as pessoas ao nosso redor, como as famílias, amigos, colegas, vizinhos e nossos irmãos e irmãs.
É importante nós entendermos que estas atitudes irão nos afetar, não só espiritualmente, mas emocionalmente e às vezes fisicamente. Pecado é doloroso não só para aqueles que sofrem, mas também para aqueles que o comete.
Se queremos viver em comunidade, teremos de aprender a consertar relacionamentos rompidos, causados pelo pecado. A Bíblia nos diz que o remédio é a confissão mútua. Precisamos admitir nossos pecados e nos arrepender. Isto é o que Tiago nos pede para fazer: “Confessai, portanto, os vossos pecados uns aos outros, e orai uns pelos outros, para serdes curados. A súplica de um justo pode muito na sua atuação. Tiago 5:16.”
Aqui estão alguns passos sobre a confissão que pode ajudá-lo em sua jornada:
1. Confesse seus pecados a Deus
Todo pecado é contra Deus em primeiro lugar. Toda vez que pecamos, nós pecamos contra Deus. Nós quebramos a Sua Lei. Confissão é o reconhecimento disto. Nós entramos na presença do Senhor e reconhecemos que Ele está certo, e nós estávamos errados.
2. Confesse para a pessoa que foi ofendida
Jesus disse que se nós pecamos contra um irmão ou irmã, que temos de ir, confessar e pedir desculpas a eles. Isto deveria ficar entre mim e meu irmão e irmã.
3. Confesse para a Igreja
Alguns pecados são públicos, e eles precisam ser tratados publicamente. No passado a pessoa que cometeu um pecado público iria até na frente da igreja e reconheceria o que ele ou ela tinha feito e pediria perdão. Às vezes, é apenas algumas pessoas ou um pequeno grupo que estava envolvido. A ideia é reconhecer na frente do grupo envolvido e pedir perdão.
4. Confesse para um líder espiritual ou um amigo maduro
Em alguns casos, fazemos coisas que são contra Deus, e precisamos de ajuda, ou lutamos em certas áreas da nossa vida. Nestes casos um líder espiritual ou um amigo maduro, confiável, alguém que poderia ouvir nossa confissão e nos ajudar em nossa jornada rumo à recuperação.
A Bíblia diz que quando confessamos nossos pecados uns aos outros, nós não só seremos perdoados, mas seremos curados. Nosso relacionamento com Deus e nossos irmãos e irmãs será restaurado. Isto é o que o Apóstolo João escreveu: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça. 1João 1:9.”
Tenha uma semana abençoada,

Pastor Lucas

terça-feira, 9 de maio de 2017

Um ao outro – vivendo em comunidade – Suportar um ao outro

“Eu não suporto esse irmão!”, “ela é insuportável, eu desisto!” Quantas vezes você já ouviu isso? Quantas vezes você já disse isso? Há irmãos e irmãs em nossas igrejas ou comunidades de fé que estão além da nossa capacidade de lidar ou de ter comunhão com eles. Nós  simplesmente não podemos.
Este tipo de atitude é responsável por muitas divisões no corpo de Cristo. Quantas igrejas começaram porque irmãos e irmãs não podiam suportar uns aos outros. Às vezes era um grupo ou facção que não podia viver com outro grupo e eles se separaram da igreja, deixando um rastro de destruição e animosidade para trás.
O problema não é apenas entre os irmãos, mas o mau testemunho para os de fora, que observam as pessoas que proclamam o amor a Deus e perdão, lutando entre si. Isso explica por que algumas pessoas não querem vir à igreja.
Há, pelo menos, três razões para suportar uns aos outros, aqui estão elas:
1. Nós todos somos parte da família de Deus – a primeira razão para suportarmos uns aos outros é porque nós somos membros da família de Deus. Nós fomos adotados nesta família maravilhosa. Escrevendo para os Efésios Paulo afirmou: com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor, Efésios 4:2.” No contexto Paulo usa as palavras, “chamando”, “a unidade do espírito”, e “o vínculo da paz”. Estes termos nos dão a entender que somos parte do corpo de Cristo. Nós devemos ver os outros como membros do mesmo corpo, irmãos e irmãs, e por causa disso devemos suportar um ao outro.
2. Nós todos somos quebrados – é importante para nós entendermos e aceitarmos que, apesar de nós sermos remidos por Cristo e ser membros do seu corpo – a Igreja – nós ainda somos pecadores. Fazemos coisas que não devemos fazer. Irmãos e irmãs vão machucar uns aos outros, maltratar uns aos outros e vão dizer palavras que ofendem uns aos outros. É por isso que o apóstolo Paulo escreveu: “suportando-vos e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tiver queixa contra outro; assim como o Senhor vos perdoou, assim fazei vós também. Colossenses 3:13.” Teremos de aprender a para pedir perdão e perdoar.
3. Nós todos estamos em níveis diferentes em nossa jornada com Cristo – finalmente, é preciso compreender que, na nossa caminhada com Cristo, estamos em níveis diferentes. Paulo, nas cartas aos Romanos capítulo 10 e na carta aos Coríntios capítulo 14, fala sobre as irmãos/irmãs maduros e irmãos/irmãs fracos. Ele tenta fazer os membros dessas igrejas entender que precisamos nos adaptar para que possamos viver com irmãos e irmãs que ainda não estão maduros. Na carta aos Gálatas ele escreve isto: “Irmãos, se um homem chegar a ser surpreendido em algum delito, vós que sois espirituais corrigi o tal com espírito de mansidão; e olha por ti mesmo, para que também tu não sejas tentado. Levai as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo. Gálatas 6:1-2” aqui, ele usa o termo “espiritual” como sinônimo de maturidade. É importante entender que nem todos os membros da igreja estão no mesmo nível e por causa disso é que temos de suportar uns aos outros.
Tenha uma semana abençoada,

Pastor Lucas

terça-feira, 2 de maio de 2017

Um ao outro – Vivendo em comunidade – Edificar e instruir um ao outro

Você alguma vez sentiu as pessoas na igreja olharem para você com um olhar superior? Talvez quando você está em um estudo bíblico ou na escola dominical, você sente que você não tem nada a acrescentar. Você não sabe muitos versículos da Bíblia de cor. Você não tem nenhuma experiência extraordinária. Você não gosta nem de falar em público. Você está sempre recebendo e acha que não tem nada para oferecer.
Deixe-me te dizer uma coisa: VOCÊ ESTÁ ERRADO! Você não poderia estar mais errado. Todos, e eu quero dizer todo mundo, tem algo para compartilhar. Este é um dos mais difíceis “um ao outro” que temos. Todos devemos estar envolvidos nisso. Todos temos que “edificar/instruir uns aos outros”. Todos nós temos que nos envolver nisso. Os grandalhões: pastores, professores e os outros que acham que sabem mais do que o resto.
Eu também gostaria de dizer algo para aqueles que pensam que sabem bastante, e que um irmão ou irmã imaturo não tem nada a acrescentar à sua fé. Deixe-me dizer a você a mesma coisa que disse para os outros irmãos e irmãs: VOCÊ ESTÁ ERRADO TAMBÉM! Devemos edificar uns aos outros, ensinar uns aos outros e encorajar uns aos outros. Todos devem estar envolvidos neste processo.
Há muitas coisas que nós podemos compartilhar com todo mundo. Paulo quando escreveu aos romanos teve isto a dizer: “isto é, para que juntamente convosco eu seja consolado em vós pela fé mútua, vossa e minha. Romanos 1:12.” é importante para nós entendermos que se trata do apóstolo Paulo. Aquele que o próprio Jesus chamou para ser apóstolo. Que plantou igrejas em todos os lugares. Aquele que é considerado o primeiro teólogo da igreja primitiva. Paulo está dizendo que ele gostaria de ir lá, para que ele pudesse encorajá-los (consolar) com sua fé, e também para que ele pudesse ser encorajado pela fé dos irmãos de Roma. Como você pode ver nós podemos compartilhar nossa fé, nossa caminhada com o Senhor e nossa experiência com Deus e sua graça com os outros. Cada um de nós deve ser capaz de fazer isso.
Mais tarde nesta carta, Paulo escreveu: “Assim, pois, sigamos as coisas que servem para a paz e as que contribuem para a edificação mútua. Romanos 14:19.” o ponto importante aqui é: “envidar todos os esforços”(sigamos as coisas).É crucial que nós entendamos que temos algo para compartilhar, mas também é extremamente importante que nos esforcemos ao máximo para fazê-lo. Às vezes temos algo a dizer, mas não pensamos que é importante. Pensamos que todo mundo já sabe, ou pensam que nossa opinião é infantil. Você tem que superar estes sentimentos e compartilhar algo que vai trazer paz e crescimento.
Finalmente o apóstolo Paulo escreveu: “Eu, da minha parte, irmãos meus, estou persuadido a vosso respeito, que vós já estais cheios de bondade, cheios de todo o conhecimento e capazes, vós mesmos, de admoestar-vos uns aos outros. Romanos 15:14.” Cada um de nós tem acesso às Escrituras. Cada um de nós tem o Espírito de Deus habitando em nossos corações. Paulo está dizendo que temos que crescer na nossa aprendizagem ao ponto de que tenhamos algo a oferecer aos nossos irmãos e irmãs. Ele também diz que bondade é um aspecto importante desta tarefa. Se eu estou cheio de bondade e sei de alguma coisa, mesmo que seja o mínimo, eu devo ajudar meus irmãos e irmãs em sua caminhada com Cristo.
Como você pode ver nós sempre teremos alguém que sabe mais do que nós, e devemos ouvir a eles ou elas. Sempre teremos pessoas que sabem menos que nós, e devemos estar dispostos a edificá-las. Há coisas que todos serão capazes de ensinar a todos, não importa em qual fase estão em sua jornada cristã. Todo mundo aprende e todo mundo ensina.
Tenha uma semana abençoada,

Pastor Lucas