sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Estágios Multiculturais - 2

Olá amigos, este é mais um Pingo de Prosa com o pastor Lucas Pina.
Hoje nós vamos continuar a nossa prosa sobre imigrantes e imigração, falando sobre
Estágios multiculturais
Saladeira(Salad Bowl) – A segunda etapa neste processo é a saladeira. Em inglês nos chamamos (salad bowl). Nesta fase é onde vemos pessoas se misturando com as outras, mas as cores e identidade ainda são muito definidas. Aqui encontramos as pessoas que estão dispostas a envolver-se com a cultura, a participar, mas ainda têm as marcas de sua cultura muito forte em suas vidas. Elas ainda falam sua língua, comemoraram feriados e mantém viva alguns eventos culturais. Esta fase é compartilhada pela geração 1,5 e segunda geração. Eles vão ouvir a sua própria língua em casa, e seus pais vão tentar forçá-los a se manter conectado com sua própria cultura.
No próximo vídeo continuaremos a falar destes estágios.
Não esqueça de compartilhar este vídeo com os seus amigos e na sua rede social, e também de subscrever no meu canal: UM PINGO DE PROSA.
Um abraço,
Pastor Lucas

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Estágios multiculturais – 1

Olá amigos, este é mais um Pingo de Prosa com o pastor Lucas Pina.
Hoje nós vamos continuar a nossa prosa sobre imigrantes e imigração, falando sobre
Estágios Multiculturais – 1
Quando falamos sobre multiculturalismo, muitas vezes ouvimos o termos, caldeirão ou saladeira para tentar explicá-lo. E na maioria das vezes falamos de uma ou de outra opção. Eu gostaria de adicionar mais interpretação para estes termos. Eu gostaria de acrescentar o termo “Mise en place”, que explicarei mais tarde, para tratá-los como um processo no multiculturalismo. Ser multicultural é um processo, longo e às vezes difícil. As pessoas, como vimos acima, tem que mudar e se adaptar, o que pode ser muito doloroso. É importante para todos nós entendermos os estágios onde os imigrantes estão, para que o processo seja mais tranquilo e sem problemas. Isso irá resolver alguns dos problemas de expectativa, porque às vezes temos grandes expectativas do outro e acabamos nos decepcionando.
Mise En Place – O primeiro termo que vou usar para este processo é um termo culinário para manter todo o processo na cozinha. Cozinheiros famosos e chefes em todo o mundo aplicam um conceito conhecido como “Mise en place” (MEEZ-ahn-plahs). A definição francesa significa “tudo em seu lugar”, e é um termo culinário que se refere à preparação e pré-medição ingredientes antes do tempo. Isto é quando você vê toda a comida em fatias, cortada e separada, pronta para cozinhar. Esta imagem nos ajuda a compreender a primeira etapa do processo multicultural. Quando os imigrantes chegam aqui eles começam nesta etapa. Eles procuram pessoas de seu país e cultura, onde eles se sintam mais confortáveis. Em termos de geração, teríamos a primeira e 1,5 gerações neste grupo. Se a família tem uma tradição muito forte, teremos a segunda geração também. Mas a geração mais forte neste grupo seria a primeira. Por que as pessoas não falam a língua, não conhece a cultura, elas isolam-se do outro grupo. A maior parte do tempo nós nos tornamos críticos com eles, porque parece que eles não querem se adaptar na nova cultura. Não compreendemos que, para eles, é muito difícil de mudar e se adaptar, e, infelizmente, alguns deles simplesmente não querem.
No próximo vídeo continuaremos a falar destes estágios.
Não esqueça de compartilhar este vídeo com os seus amigos e na sua rede social, e também de subscrever no meu canal: UM PINGO DE PROSA.
Um abraço.
Pastor Lucas

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

A experiência de Pentecostes

Ao longo da história nós temos assistido movimentos que não só lembram do dia de Pentecostes, mas também tentam duplicá-lo no dia a dia. O movimento Pentecostal levou a experiência de Pentecostes para um novo patamar, mostrando um pouco de tudo, de curas e línguas até manifestações bizarras de controle em massa.
Todos os anos as igrejas cristãs tradicionais comemoram o dia de Pentecostes. Me parece que este é o único momento em que essas igrejas se lembram do evento e falam sobre seu significado. Como você pode ver nós estamos sendo atirados de um extremo para o outro, um grupo usando a experiência de Pentecostes para fazer qualquer coisa que eles querem e o outro apenas mencionando de vez em quando.
Você pode ler a história do Pentecostes no livro de Atos capítulo 2. Lá, aprendemos sobre os movimentos que o Espírito começou naquele dia importante na vida da igreja.
O primeiro movimento foi de impotente para poderosa. Quando Jesus pediu aos discípulos para voltarem a Jerusalém e ficarem lá, Ele disse isto: “Atos 1:8, Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra."Ele sabia, e eles sabiam que eles não tinham poder, não só para viver a vida cristã, mas também para cumprir a missão que Jesus deu a eles. O Pentecostes nos lembra que não podemos ser ou fazer nada sem o poder do Espírito Santo.
O segundo movimento é de local para universal. Aqui temos um grupo de discípulos Galileus fortalecidos pelo Espírito Santo para comunicar as Boas Novas para as pessoas de outras partes do mundo. Isto é como Lucas descreve: “Atos 2:6 Ouvindo-se, pois, aquele ruído, ajuntou-se a multidão; e estava confusa, porque cada um os ouvia falar na sua própria língua.”A experiência de Pentecostes obriga a Igreja a avançar para além das suas paredes. Não podemos fazer isso sozinhos. É por isso que temos o poder do Espírito Santo para tornar o Evangelho conhecido ao redor do mundo. Isto é o que os discípulos fizeram em sua geração.
Outro movimento é de pequeno para grande. A maioria dos discípulos eram de cidades pequenas. A maior cidade que eles conheciam era Jerusalém. Eles tinham um grupo de cerca de 120 pessoas (Atos 1:15) reunido em Jerusalém. Jesus pediu-lhes para levar a mensagem ao mundo inteiro. Em Pentecostes, o Espírito deu-lhes não só a coragem de proclamar o Evangelho, mas também trouxe pessoas para o rebanho da igreja. Depois que Pedro terminou a pregação, as pessoas responderam aceitando a sua mensagem: “Atos 2:41 De sorte que foram batizados os que receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas;”A partir daí, o crescimento da igreja, contra todas as probabilidades, foi extraordinário. A presença e a obra do Espírito em nosso meio irão produzir esses resultados.
Assim sendo, meu amigo, deixe o mover do Espírito Santo capacitá-lo não só para viver a vida cristã, mas também para cumprir a missão cristã.
Tenha uma semana abençoada,
Pastor Lucas

terça-feira, 26 de junho de 2018

A vida depois da Páscoa – Missão

Cristo está vivo! Ele realmente está vivo! O que devemos fazer com esta informação maravilhosa? Se nós realmente acreditamos que nosso Senhor Jesus Cristo ressuscitou dos mortos, qual deveria ser a nossa reação? Conhecer e crer que Ele está vivo exige de nós alguma ação, e esta é a nossa missão.
A ressurreição de Cristo é um evento que deve ser comemorado todos os dias de nossas vidas. Portanto, nossa primeira missão é reconhecer e desfrutar nosso Senhor que está vivo. Este evento deve trazer uma alegria incontida e maravilhosa ao nosso coração “Lucas 24:41 Não acreditando eles ainda por causa da alegria, e estando admirados, perguntou-lhes Jesus: Tendes aqui alguma coisa que comer?"Esta alegria deve ser acompanhada de louvor e adoração. Como você sabe a primeira igreja mudou o dia de adoração tradicional de sábado para domingo (o primeiro dia da semana) por causa da ressurreição de nosso Senhor. Às vezes chegamos ao culto e parece que viemos a um funeral. Parece e soa como se o Senhor ainda estivesse no túmulo. Domingo deve ser um dia especial na vida da igreja. É o dia em que celebramos o Senhor ressuscitado.
Outro aspecto da nossa missão que é afetado pela ressurreição é a nossa vida. A morte de Cristo pagou por nossos pecados, mas sua ressurreição produz uma nova vida dentro de nós. Isto é o que Paulo escreveu aos romanos: “Romanos 6:4 Fomos, pois, sepultados com ele pelo batismo na morte, para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida.”Em Cristo morremos para nossa antiga vida, e em Cristo fomos ressuscitados para uma nova vida. Os cristãos devem demonstrar uma nova vida, uma vida ofertada pelo Cristo ressuscitado. Talvez você acha que não tem capacidade de viver esse tipo de vida. Você está certo, nenhum de nós tem. Esta nova vida só é vivida pelo poder da Ressurreição através do Espírito Santo.
Finalmente, temos de proclamar, ensinar, falar, e compartilhar que Jesus está vivo, Ele está conosco, e Ele está em nós. As boas novas sobre a ressurreição de Jesus não podem ficar trancadas dentro das paredes das nossas igrejas. A vida, a esperança, e a salvação devem ser compartilhadas com todos. Isso é uma ótima notícia digna de ser proclamada. A igreja primitiva entendeu isso e a ressurreição de Cristo foi o tema principal em sua proclamação: “Atos 4:2 doendo-se muito de que eles ensinassem o povo, e anunciassem em Jesus a ressurreição dentre os mortos,”Os apóstolos ensinavam o povo e proclamavam a ressurreição dos mortos em Jesus. Morte não teria mais a palavra final. Há esperança e salvação. Os apóstolos estavam dizendo a todos sobre o que viram e ouviram. “Atos 4:33 Com grande poder os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça.”
Meu amigo, se acreditamos na ressurreição de Cristo, nós devemos adorá-lo com alegria em nossos corações; devemos viver uma vida nova, fortalecida pelo Espírito Santo; e devemos partilhar com as pessoas ao nosso redor, através de atos e palavras, que Cristo está vivo e Ele ainda pode transformar vidas.
Tenha uma semana abençoada,
Pastor Lucas

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Estágios de Mudança - 6

Olá amigos, este é mais um Pingo de Prosa com o pastor Lucas Pina.
Hoje nós vamos continuar a nossa prosa sobre imigrantes e imigração
Os Estágios de Mudança
Neste pingo de prosa nós vamos ver os estágios que todos nós, que um dia mudamos, temos que passar.
Mudar para um outro país vai produzir mudanças, e nós teremos que aprender a nos adaptar neste novo lugar. Mas não somente nós, estas mudanças vão afetar o povo que vive nesta Pátria. Eles também vão ter que adaptar a estas mudanças. E muitas vezes eles não estão preparados para as mudanças que os imigrantes trazem.
Quando eu era pastor em Belo Horizonte eu fui convidado a fazer o casamento de dois membros da minha igreja, no sul do País. Eu vou deixar alguns detalhes de lado, mas você pode imaginar o meu susto quando eu cheguei na cidade e a igreja Católica não estava na praça principal, mas sim a Luterana. Este só foi o começo. A língua foi o próximo choque. Muito pouca gente falava Português. Eu tinha que usar tradutores para me comunicar. NO BRASIL! Eu aprendi que o governo brasileiro teve que passar uma lei obrigando as escolas a ensinarem Português, já que esta era a língua oficial do Brasil.
Se nós brasileiros, nos chocamos, imagina o Americano que tem que reaprender a viver por causa dos imigrantes. Se nós que temos jogo de cintura nos assustamos, imagina eles.
No próximo vídeo continuaremos a falar destas mudanças e como os moradores reagem.
Não esqueça de compartilhar este vídeo com os seus amigos e na sua rede social, e também de subscrever no meu canal: UM PINGO DE PROSA.
Um abraço.
Pastor Lucas

sexta-feira, 15 de junho de 2018

A vida depois da Páscoa – Aprendizagem

Ressurreição – o evento que abalou o mundo inteiro, não só o físico, mas também o espiritual. Este evento abriu as portas para possibilidades nem sequer imaginadas. Jesus de Nazaré realizou algo tão extraordinário que até hoje ainda estamos celebrando e falando sobre isso.
Este evento é tão importante que devemos aprender mais sobre o assunto. Quando recitamos o Credo dos Apóstolos, confessando nossa fé, afirmamos: “...no terceiro dia ele ressuscitou dentre os mortos;”  muitas vezes não temos a menor ideia de quão importante esta declaração e a crença é. O nascimento, morte e ressurreição de Cristo são os pontos centrais no cristianismo. O cristianismo verdadeiro não existiria sem uma delas.
Então, o que aprendemos com a ressurreição? Quais são as lições que devemos tirar com este acontecimento extraordinário? Deixe-me compartilhar algumas com você. 
1. A ressurreição foi mencionada nas Escrituras – isto é o que Jesus disse aos discípulos no caminho de Emaús: “Lucas 24:25-27 Então ele lhes disse: ó néscios, e tardos de coração para crerdes tudo o que os profetas disseram! Porventura não importa que o Cristo padecesse essas coisas e entrasse na sua glória? E, começando por Moisés, e por todos os profetas, explicou-lhes o que dele se achava em todas as Escrituras.”O apóstolo Paulo também afirmou isto em sua carta aos Coríntios: “1 Coríntios 15:3-5 Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras; que foi sepultado; que foi ressuscitado ao terceiro dia, segundo as Escrituras; que apareceu a Cefas, e depois aos doze;”
2. Jesus não é um homem comum– a ressurreição torna clara para nós que Jesus está em uma categoria totalmente diferente. Ele fez declarações que ninguém poderia fazer. Quando ele falou com Marta em frente ao túmulo de Lázaro, Ele disse isso para ela:“João 11:25-26 Declarou-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo aquele que vive, e crê em mim, jamais morrerá. Crês isto?”Ele é mais que um homem comum. Ele é Deus encarnado. 
3. Jesus tinha uma missão a cumprir e a ressurreição foi uma parte importante – às vezes pensamos que a missão de Jesus era morrer pelos nossos pecados. Para estes, a Cruz é o evento principal e todos os outros aspectos de sua vida são apenas uma fração insignificante da história. Eles não poderiam estar mais errados. Cada aspecto e parte da vida de Jesus é importante em Sua missão. A ressurreição não é diferente. Sem a ressurreição, não há nenhuma salvação. Isto é o que Pedro escreveu: “1Pedro 3:21-22 que também agora, por uma verdadeira figura - o batismo, vos salva, o qual não é o despojamento da imundícia da carne, mas a indagação de uma boa consciência para com Deus, pela ressurreição de Jesus Cristo, que está à destra de Deus, tendo subido ao céu; havendo-se-lhe sujeitado os anjos, e as autoridades, e as potestades.”
4. Nós ressuscitaremos também– é por causa da ressurreição de Cristo que podemos ter certeza de que vamos ressuscitar dos mortos. Nossa esperança está baseada no seu nascimento, vida, morte e ressurreição. Estamos unidos com Cristo, não só em sua morte, mas também na sua ressurreição. Isto é o que Paulo escreveu: “Romanos 6:5 Porque, se temos sido unidos a ele na semelhança da sua morte, certamente também o seremos na semelhança da sua ressurreição;”
Como você pode ver meu amigo, a ressurreição tem muitas lições para nós. Minha oração é que, enquanto você ler estes e outros textos sobre a ressurreição de Cristo, você tenha a mesma sensação que tiveram os discípulos de Emaús: “Lucas 24:32 E disseram um para o outro: Porventura não se nos abrasava o coração, quando pelo caminho nos falava, e quando nos abria as Escrituras?”
Tenha uma semana abençoada,
Pastor Lucas

terça-feira, 12 de junho de 2018

Estágios de Mudança - 5

Olá amigos, este é mais um Pingo de Prosa com o pastor Lucas Pina.
Hoje nós vamos continuar a nossa prosa sobre imigrantes e imigração
Os Estágios de Mudança
Neste pingo de prosa nós vamos ver os estágios que todos nós, que um dia mudamos, temos que passar.
Mudar para um outro país vai produzir mudanças, e nós teremos que aprender a nos adaptar neste novo lugar.
Nós teremos que fazer deste novo país Uma Nova Pátria.
No vídeo anterior nós vimos que segunda atitude é Adaptar à Nova Pátria. Em vez de duplicar e recriar a sua pátria, eles fazem uma síntese da cultura que eles deixaram para trás e a nova cultura. Eles apreciam e usufruem da nova pátria, mas ao mesmo tempo eles ajudam a mudar esta pátria.
Normalmente a primeira geração vai recriar a sua pátria, enquanto que os seus filhos vão se adaptar à nova Pátria. Neste momento os imigrantes vão ter que lidar com Três Pátrias:
1. Na memória, eles carregam a Pátria onde nasceram.
2. No dia a dia eles vivem na Pátria que eles recriaram.
3. E no relacionamento com seus filhos eles são desafiados a mergulhar na nova cultura.
Para vocês terem uma ideia de como isto é complicado, No sistema escolar de Atlanta mais de 50 línguas diferentes são faladas nas casas das crianças que frequentam as escolas. Esta diversidade muda tudo.
No próximo vídeo continuaremos a falar destas mudanças e como os moradores reagem.
Não esqueça de compartilhar este vídeo com os seus amigos e na sua rede social, e também de subscrever no meu canal: UM PINGO DE PROSA.
Um abraço.
Pastor Lucas